Notícias

Cobrança vexatória ou que atrapalhe o trabalho ou lazer da pessoa pode ser tida como crime contra o consumidor

O enredo é conhecido: quem nunca recebeu sucessivas ligações ou mensagens de texto de empresas especializadas em cobrança, seja essa dívida devida ou não (o que piora o cenário), ou ao menos conhece alguém que já vivenciou essa situação?

Autor: Rafael ValentiniFonte: 0 autor

O enredo é conhecido: quem nunca recebeu sucessivas ligações ou mensagens de texto de empresas especializadas em cobrança, seja essa dívida devida ou não (o que piora o cenário), ou ao menos conhece alguém que já vivenciou essa situação?

Não se discute que dívida deve ser quitada, sendo que o credor tem o direito legítimo de cobrá-la e de usar os meios legais para satisfazer o seu crédito. Afinal, se por um lado o consumidor (a parte mais vulnerável da relação consumerista) não pode ser abusivamente cobrado, por outro as empresas-credoras e as empresas especializadas em cobrança não podem ficar sem proteção da lei para que recebam os seus créditos, sob pena de inviabilização dos seus respectivos negócios.

O Código de Defesa do Consumidor prevê determinados crimes visando prevenir e reprimir condutas abusivas e vexatórias, como por exemplo: “Utilizar, na cobrança de dívidas, de ameaça, coação, constrangimento físico ou moral, afirmações falsas incorretas ou enganosas ou de qualquer outro procedimento que exponha o consumidor, injustificadamente, a ridículo ou interfira com seu trabalho, descanso ou lazer” (artigo 71).

Referido delito possui pena de detenção de três meses a um ano e multa, podendo ser considerado um crime de baixa ofensividade na hipótese de o agente ser primário. Porém, a reincidência na conduta poderá resultar em consequências processuais mais graves.

Vale destacar aqui também outras condutas tidas como delituosas e que, não raro, lesam consumidores e pessoas no dia a dia, como “Impedir ou dificultar o acesso do consumidor às informações que sobre ele constem em cadastros, banco de dados, fichas e registros” (artigo 72) e “Deixar de corrigir imediatamente informação sobre consumidor constante de cadastro, banco de dados, fichas ou registros que sabe ou deveria saber ser inexata” (artigo 73).

A análise quanto a configuração dos crimes mencionados deverá ser feita caso a caso. Em termos gerais, o direito de cobrança deve ser exercido de forma adequada e moderada, de modo a não expor o consumidor ao ridículo, expô-lo indevidamente ou atrapalhá-lo em atividades ordinárias.

Portanto, um alerta a empresas e consumidores: é sempre melhor honrar com os compromissos assumidos e, na outra ponta da relação, é preciso moderação e razoabilidade para não fazer de uma dívida civil um problema ainda maior de natureza policial.

*Rafael Valentini é advogado criminalista, pós-graduado em Direito e Processo Penal pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e sócio do FVF Advogados.

Informações à imprensa

Sobre a M2 Comunicação Jurídica

A M2 Comunicação Jurídica é uma agência especializada nos segmentos econômico e do Direito. Contamos com diversas fontes que atuam em âmbito nacional e internacional, com ampla vivência nos mais diversos assuntos que afetam a economia, sociedade e as relações empresariais

Atendimento geral à imprensa: (11) 4040-3666

voltar

Links Úteis

Indicadores diários

Compra Venda
Dólar Americano/Real Brasileiro 4.9736 4.9757
Euro/Real Brasileiro 5.3729 5.3809
Atualizado em: 29/02/2024 16:21

Indicadores de inflação

11/2023 12/2023 01/2024
IGP-DI 0,50% 0,64% -0,27%
IGP-M 0,59% 0,74% 0,07%
INCC-DI 0,07% 0,31% 0,27%
INPC (IBGE) 0,10% 0,55% 0,57%
IPC (FIPE) 0,43% 0,38% 0,46%
IPC (FGV) 0,27% 0,29% 0,61%
IPCA (IBGE) 0,28% 0,56% 0,42%
IPCA-E (IBGE) 0,33% 0,40% 0,31%
IVAR (FGV) -0,37% -1,16% 4,34%